Nitpress lança primeira antologia do Café Paris


Um século depois de impregnar de poesia as noites de Niterói, a roda líteroboêmia do Café Paris volta a se reunir no nono volume da coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses”, da Editora Nitpress. Organizado pelo professor Luiz Antonio Barros, da Academia Niteroiense de Letras, o livro Os Poetas Satíricos do Café Paris, que será lançado no próximo dia 12, na Academia Fluminense de Letras, oferece sua contribuição à arqueologia cultural da cidade como a primeira antologia do cultuado Café Paris.

Nomes como Oscar Mangeon, Lourenço de Araújo, Gomes Filho, Mazzini Rubano, Nestor Tangerini, Kleber de Sá Carvalho, Olavo Bastos, René Descartes de Medeiros, Max de Vasconcelos, Luiz Pistarini, Raul de Leôni, Sylvio Figueiredo e, é claro, Luiz Gondim Leitão, o Lili Leitão, entre vários outros, encontram-se pela primeira vez longe do Paris, cujas mesas frequentaram entre as décadas de 10 e 30 do século passado. Para o decano Luiz Antônio Pimentel, eles foram o Big-Bang do movimento literário fluminense, de onde surgiram a Academia Fluminense de Letras e o Cenáculo Fluminense de História e Letras.
O célebre Café Paris funcionou em frente à estação das barcas desde o final do século XIX até fechar suas portas na década de 30 do século XX; primeiro chamuscado por um incêndio e, definitivamente depois, para dar passagem à abertura da Avenida Amaral Peixoto. Ficou a memória da roda literária, formada por intelectuais e boêmios da cidade, que se reuniam diariamente até altas horas da noite para lerem os versos que escreviam à solta em guardanapos de papel e maços de cigarros. Muitos deles eram esquecidos ao final da noite nas mesas do bar – poesias varridas por garçons sonolentos que jamais voltariam a ser declamadas.
Mas boa parte dessa importante produção literária foi registrada em livros e plaquetas – pequenos opúsculos publicados à moda da época – hoje raros e disputados por colecionadores. Alguns pesquisadores da cultura fluminense, tendo, provavelmente, a iniciativa de Lyad de Almeida, autor do livro Lili Leitão, o Café Paris e a vida boêmia de Niteró, publicado pela Niterói Livros em 1996, como a primeira referência importante, vem se dedicando ao tema.
Em 2009, a Nitpress publicou uma edição crítica do livro Vida Apertada, de Luiz Leitão – apontado por todos os historiadores como o principal expoente da roda –, com organização de Roberto S. Kahlmeyer-Mertens. O livro de “Lili” Leitão, de 1926, era, por sua raridade, considerado desaparecido, mas muitos de seus versos atravessaram décadas, transmitidos oralmente de geração a geração. A publicação da Nitpress, baseada em uma reedição facsimilar e um robusto aparato crítico, restabeleceu a originalidade dos textos e inaugurou uma série da editora dedicada ao Café Paris, culminando, agora, com essa inédita antologia, integrante da coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses”.

Sobre a coleção

Além de abrir as portas do acervo formado pelas obras clássicas dos escritores do Estado do Rio às novas gerações, a coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses” pretende render tributo à memória fluminense através do resgate de seus grandes poetas e prosadores. Cada título focaliza um ou mais dos vultos literários, apresentados por escritores e pesquisadores contemporâneos, membros de instituições acadêmicas e educacionais.
O livro Os Poetas Satíricos do Café Paris, organizado por Luiz Antonio Barros, é o nono volume de um total de 12 previstos. Já foram lançados Alberto de Oliveira, o Príncipe dos Poetas (org. Edmo Rodrigues Lutterbach); Casimiro de Abreu, o Poeta das Primaveras (org. Márcia Pessanha); B. Lopes, o Poeta Fidalgo (org. Liâne Areas); Euclides da Cunha, da Face de um Tapuia (org. Luiz Fernando Conde Sangenís e Anabelle Loivos Consídera Sangenís); José Cândido de Carvalho, Coronéis, Bergantins e Mafagafes (org. Luiz Antonio Barros); Fagundes Varela, a poética romântica de uma alma inquieta (org. Renato Augusto Farias de Carvalho); Teixeira e Sousa, o pai do romance brasileiro (org. Hebe Cristina da Silva) e Poetas da Serra – Raul de Leôni, Luiz Pistarini e Júlio Salusse (org. Luiz Antonio Barros).
No final do ano passado, a convite da professora Eliana Yunes e do Departamento de Letras da PUC-Rio, a editora Nitpress organizou um ciclo de palestras sobre literatura fluminense na Cátedra Unesco da Leitura baseado na coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses”. A série também tem oferecido o conteúdo básico do curso sobre literatura fluminense que está sendo ministrado no Memorial Roberto Silveira/Caminho Niemeyer, por iniciativa da Secretaria de Educação de Niterói.

Serviço

Lançamento do livro Os Poetas Satíricos do Café Paris, dia 12 de março, às 18 horas, na Academia Fluminense de Letras (Praça da República, s/n, Centro, Niterói).

Publicado em Identidade Fluminense, Lançamentos por admin. Marque Link Permanente.

Sobre admin

A valorização da literatura fluminense é o nosso maior compromisso. Seja no resgate dos escritores clássicos, responsáveis por um papel preponderante na formação literária brasileira, seja na divulgação dos autores contemporâneos, a Nitpress apresenta em seus livros a riqueza imortalizada pelos grandes nomes das letras fluminenses.

Deixe uma resposta