Nitpress lança “Um pedaço do arco-íris” no FLIN

A Editora Nitpress lança neste sábado, 28 de outubro, às 12h, no Festival Literário Infantojuvenil de Niterói, promovido pela Scuola di Cultura, o livro Pedaço do arco-íris, do jornalista e teatrólogo Mário Sousa. Esta é a segunda edição do FLIN, que acontece de sexta-feira até domingo, em São Francisco, Niterói.

O Festiva LiterárioInfantojuvenil de Niterói (FLIN) é uma promoção da Scuola di Cultura do Istituto Italiano di Cultura de Niterói - www.scuoladicultura.com.br

Onde

Scuola di Cultura

Av. Presidente Roosevelt, 1.063, S. Francisco, Niterói

Quando

Sábado, 28 de Outubro de 2017, das 12 às 14h.

Literatura fluminense na Bienal

Editoras de Niterói presentes à Bienal

O Riocentro é, mais uma vez, palco do maior evento do mercado editorial brasileiro. A XVIII Bienal do Livro do Rio de Janeiro, que se estende até o dia 10 de setembro, espera atrair um público de mais de 600 mil leitores ávidos pelos milhões de livros levados por centenas de editoras para a feira. A literatura fluminense terá sua casa montada no estande da Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro – Pavilhão Verde (Ruas M1/N2) – onde estarão abrigadas, junto com o projeto Mais Leitura, que oferece livros novos a partir de R$ 2,00, as editoras que formam o grupo Letras de Niterói – Nitpress, Eduff, Muiraquitã, Intertexto, Comunitá Italiana e Itapuca. Continuar lendo

Nitpress lança primeiro atlas escolar do Rio de Janeiro na XVII Bienal do Livro


As escolas cariocas ganharão, no ano em que são comemorados os 450 anos do Rio de Janeiro, um material didático inédito para ajudar os alunos a conhecerem melhor o espaço geográfico e a rica história da cidade. A editora Nitpress lança, durante a Bienal do Livro, de 3 a 13 de setembro, no Riocentro, o Atlas Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, apresentando a cidade em riqueza de detalhes, de forma pedagogicamente apropriada para alunos a partir da terceira série do primeiro segmento do ensino fundamental.
O livro faz parte do projeto Atlas Cidadão, desenvolvido especialmente pela editora com o objetivo de suprir a carência acusada por professores de história e geografia provocada pela quase inexistência de material didático dessas áreas específico dos municípios. A edição do atlas do Rio de Janeiro foi organizada pelo professor Fabrício Pimenta da Cunha, também responsável pelo desenvolvimento dos estudos cartográficos, e tem pesquisa histórica assinada pela professora Regina Costa.
O projeto Atlas Cidadão
O projeto Atas Cidadão foi desenvolvido com o propósito de formar cidadãos mais conscientes do microcosmo constituído por seu próprio município. O atlas reúne um conjunto essencial de informações históricas e geográficas da cidade com o auxílio de ilustrações, gráficos e mapas criados especialmente para ajudar os estudantes do ensino fundamental a compreender melhor o mundo que os cerca, fortalecendo as raízes locais.
As primeiras páginas trazem informações sobre o próprio atlas e uma visão básica sobre o Brasil e o estado em que o município se insere. Seguem, depois, as informações históricas do município, com fotos e ilustrações, além dos símbolos municipais, como bandeira, hino e brasão. Os aspectos atuais e uma galeria de cidadãos ilustres completam a parte histórica.
A segunda parte do atlas é formado por um conjunto de gráficos e mapas, acompanhados de notas, fotos e ilustrações explicativas, a saber: pirâmide etária, densidade demográfica, bairros e distritos, população por bairros e distritos, aglomerados subnormais, unidades de consevação, precipitação acumulada, uso e cobertura do solo, hidrografia, hipsometria, hidrografia e hipsometria, geomorfologia, solos e malha rodoviária. Uma bibliografia detalhada acompanha o material.
As escola interessadas em conhecer o Atlas Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro podem agendar a visita de um representante da editora pelo telefone 21 2618-2972 ou através do email nitpress@nitpress.com.br.

Pimentel de volta ao Campo de São Bento

Luís Antônio Pimentel evitou um “urbanicídio” – expressão cunhada por ele mesmo – ao liderar uma campanha na imprensa fluminense contra a abertura de uma via de carros e ônibus passando dentro do Campo de São Bento, referência de bucolismo e lazer na Zona Sul de Niterói. A ideia estapafúrdia surgiu nos anos 60 e foi barrada pela oposição popular liderada por ele, um dos mais importantes memorialistas da cidade, falecido há três meses, aos 103 anos de idade.
No próximo sábado, dia 25, a partir das 9h, o Campo de São Bento será palco de uma homenagem prestada pela Academia Fluminense de Letras, dentro da programação de comemorações dos seus 98 anos, com o relançamento do livro “Luís Antônio Pimentel, o polígrafo da alma fluminense”, décimo volume da coleção Introdução aos Clássicos Fluminenses, da Editora Nitpress. Haverá uma feira de livros organizada pela Associação Niteroiense de Editores de Livros (ANEL) e apresentação de banda de música.
O livro, organizado pelo professor Luiz Antonio Barros, é a primeira antologia baseada na obra completa de Pimentel, apresentando uma visão panorâmica sobre toda a produção literária do escritor. Outros títulos da Nitpress assinados por Pimentel, como “Haicais Onomásticos”, “Contos do Velho Nipon” e “O amor segundo Luís Antônio Pimentel”, estarão sendo relançados na ocasião.

Nitpress lança primeira antologia do Café Paris


Um século depois de impregnar de poesia as noites de Niterói, a roda líteroboêmia do Café Paris volta a se reunir no nono volume da coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses”, da Editora Nitpress. Organizado pelo professor Luiz Antonio Barros, da Academia Niteroiense de Letras, o livro Os Poetas Satíricos do Café Paris, que será lançado no próximo dia 12, na Academia Fluminense de Letras, oferece sua contribuição à arqueologia cultural da cidade como a primeira antologia do cultuado Café Paris.
Continuar lendo

Nitpress na Bienal de Campos – Homenagem a José Cândido de Carvalho


A cidade de Campos vai ser palco do único lançamento previsto até agora sobre José Cândido de Carvalho no ano do centenário de nascimento do autor de O Coronel e o Lobisomem. O livro José Cândido de Carvalho – Coronéis, Bergantins e Mafagafes, organizado pelo professor Luiz Antonio Barros, da Academia Niteroiense de Letras, será lançado sábado, dia 17, às 19h, durante a 8ª Bienal do Livro de Campos dos Goytacazes.
Trata-se do quinto volume da coleção “Introdução aos Clássicos Fluminenses”, da Nitpress, a rigor, a única editora do estado especializada em literatura e história fluminense, que estará representada no estande nº 14 da Bienal. Além de apresentar cronologicamente a vida de José Cândido, o livro pode ser considerado uma obra lexicográfica, oferecendo estudos dos topônimos e antropônimos, da língua e do estilo do autor, além de um glossários contendo expressões idiomáticas criadas por JCC.
Idealizado, como os demais volumes da coleção, como um instrumento de apoio didático, o livro também traz uma antologia de contos e excertos dos romances de José Cândido, tornando-o uma leitura atraente para todos os públicos.
Às 20h, também na Bienal de Campos, a professora Márcia Pessanha, campista radicada em Niterói há vários anos, relança o segundo volume, organizado por ela, da coleção da Nitpress, dedicado a Casimiro de Abreu. O livro Casimiro de Abreu – O poeta das Primaveras segue o mesmo padrão dos outros volumes e resgata a vida e a obra do autor de clássicos imortais da poesia brasileira, como “Meus oito anos”.
Presidindo atualmente a Academia Niteroiense de Letras, Márcia Pessanha também é diretora da Academia Fluminense de Letras e vice-presidente do Cenáculo Fluminense de Letras – entidade que já presidiu. Foi, também, presidente da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde ainda leciona.

Capa do livro Um sorriso de oito graus na escala Richter
A Nitpress acaba de lançar o livro “Um sorriso de oito graus na escala Richter”, de Hugo Hugo Rodrigues – um terremoto que tem abalado emoções desde que o autor passou a compartilhar trechos da história através do blog www.umsorrisode8…graus.blogspot.com. A fanpage do autor já superou os 3 mil “likes” e a página do livro no Facebook também já beira essa marca. O livro pode ser adquirido através da Livraria Online Nitpress.

Nitpress lança “A onda Maldita” em Niterói com a participação de locutoras da rádio


Com a presença de um grupo de locutoras da primeira geração da rádio, a editora Nitpress lança em Niterói no próximo dia 5, quarta-feira, a partir das 18 horas, a edição especial do livro “A onda Maldita – como nasceu a Fluminense FM”, de Luiz Antonio Mello. O evento acontece na Sala de Cultura Leila Diniz (Rua Heitor Carrilho, 81, Centro), da Imprensa Oficial, a apenas dois quarteirões da sede do Grupo Fluminense de Comunicação, palco dos acontecimentos narrados com paixão e em primeira pessoa pelo criador da emissora.
Os primeiros a chegarem à Sala Leila Diniz ganharão um pôster histórico do lançamento da rádio, há 30 anos. Entre as locutoras que participarão da festa, já confirmaram presença Cristina Rabelo, Cláudia Cid, Selma Boiron, Jussara Simões e Mylena Ciribelli. Elas vão se revezar no microfone da sala de cultura, anunciando suas músicas preferidas e relembrando os tempos da Maldita.
Com 256 páginas e um pôster-brinde na sobrecapa, o livro conta a história da emissora que revolucionou o rádio brasileiro e ajudou a construir a famosa geração 80 do rock nacional. O ano era 1982. O jornalista Luiz Antonio Mello lançava, na cidade de Niterói, aquela que viria a ser a mais emblemática rádio-rock do Brasil: a Fluminense FM “Maldita”, provocando uma autêntica revolução no dial.
O time de locutoras, o jeito feminino despojado de conduzir o microfone e o grito de guerra “Maldita!” tornaram-se as marcas registradas da rádio. Em poucos meses a audiência pulou de quase traço para as primeiras posições no Ibope. Por lá passaram grandes astros internacionais e as mais importantes bandas do rock nacional, que tiveram na emissora fluminense a base fundamental para se firmarem no cenário musical.
O escritor e crítico de música Arthur Dapieve, que assina a orelha do livro, afirma que “sem a Maldita não haveria Paralamas, Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial, Kid Abelha, Blitz, Barão Vermelho, Titãs, Ultraje a Rigor, RPM, Engenheiros do Hawaii… Ao menos não do modo que os conhecemos hoje. Sem a rádio, e sem sua parceria prática e espiritual com o Circo Voador, armado primeiramente no Arpoador e depois na Lapa, o BRock teria tido mais dificuldades para se afirmar na sensibilidade pátria”.
O livro já pode ser adquirido nas melhores livrarias e pela loja online da editora, acessando o endereço http://nitpress.webstorelw.com.br/products/a-onda-maldita.

Lançamento de “A onda Maldita” dia 27, sábado, no Circo Voador

Quem pagar o ingresso inteiro levará o livro de graça![photopress:capa_maldita.jpg,full,alignleft]
A editora Nitpress lança sábado, dia 27, no Circo Voador, uma edição especial do livro A onda Maldita – Como nasceu a Fluminense FM, de Luiz Antonio Mello. Com 256 páginas e um pôster-brinde na sobrecapa, o livro narra a história da emissora que revolucionou o rádio brasileiro e ajudou a construir a famosa geração 80 do rock nacional. Os portões do Circo abrem às 22 horas e quem pagar a entrada inteira (R$50,00) ganhará o livro de graça.
Em 1982 o jornalista Luiz Antonio Mello lançava, na cidade de Niterói, aquela que viria a ser a mais emblemática rádio-rock do Brasil: a Fluminense FM “Maldita”, provocando uma autêntica revolução no dial. O time de locutoras, o jeito feminino despojado de conduzir o microfone e o grito de guerra “Maldita!” tornaram-se as marcas registradas da rádio. Em poucos meses a audiência pulou de quase traço para as primeiras posições no Ibope. Por lá passaram grandes astros internacionais e as mais importantes bandas do rock nacional, que tiveram na emissora fluminense a base fundamental para se firmarem no cenário musical.
O escritor e crítico de música Arthur Dapieve, que assina a orelha do livro, afirma que “sem a Maldita não haveria Paralamas, Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial, Kid Abelha, Blitz, Barão Vermelho, Titãs, Ultraje a Rigor, RPM, Engenheiros do Hawaii… Ao menos não do modo que os conhecemos hoje. Sem a rádio, e sem sua parceria prática e espiritual com o Circo Voador, armado primeiramente no Arpoador e depois na Lapa, o BRock teria tido mais dificuldades para se afirmar na sensibilidade pátria”.
Os 30 anos de surgimento da Fluminense FM “Maldita” e do próprio Circo Voador serão comemorados com o lançamento desta edição especial de A onda Maldita – Como nasceu a Fluminense FM e com uma festa embalada pelo melhor rock brasileiro no Circo Voador. Luiz Antonio Mello vai autografar pessoalmente o livro, com preço de capa de R$ 39,00. Os primeiros 50 a adquirirem o livro juntamente com o ingresso inteiro também ganharão, além do pôster-brinde na sobrecapa, um cartaz histórico da Fluminense FM.
O livro também pode ser adquirido antecipadamente pela pré-venda através da livraria online da editora, acessando o endereço http://nitpress.webstorelw.com.br/products/a-onda-maldita. Os leitores que optarem pela pré-venda receberão o livro autografado pelo autor a partir do dia 29 de outubro.